Quem somos ?

Somos Obreiros (Diáconos e Auxiliares de Trabalho) da Casa do SENHOR, que, através da orientação do Espírito Santo e dos nossos Pastores, da Consagração, da Oração e do Conhecimento da Palavra, servimos à Igreja por meio do Diaconato, ministério prático da Igreja. Além de servir, temos o entendimento de que precisamos ganhar almas para JESUS CRISTO,sendo condição necessária a boa reputação, ser cheios do Espírito Santo e de sabedoria a fim que possamos desempenhar este IMPORTANTE NEGÓCIO para o qual fomos chamados por Deus(At 6.3).

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

2º Congresso da Sociedade Masculina e 52º Aniversário da Assembleia de Deus-Missões


Entrada das Bandeiras: do Brasil, de Minas Gerais,
de Juiz de Fora, da Assembleia de Deus e da Somad 


Da esquerda para direita, Pr. Samuel Lopes,
Pr. Hélio e Dc. Geraldo.À frente: Cantor Pedro Duprat
Quarteto Aleluia: Pr. Anderson, Ir. Luciana,
 Ir. Queila e Pr. Abraão

Quarteto Dádivas de Deus

Pr. Cláudio Moisés (Preletor)



Mais adoração ao nosso Deus
pelo Conjunto de Varões
"Campeões de Jeová"

Parcial do Templo
Parcial do Templo lotado: graças a Deus

A
o terminar o II Congresso da Sociedade Masculina pastores, presbíteros, diáconos e demais membros da igreja Assembleia de Deus em Juiz de Fora saíram surpresos com o êxito do evento.
A abertura aconteceu no sábado (1º) à noite com a entrada das bandeiras do Brasil, do estado, de Juiz de Fora e da Assembleia juntamente com representantes das congregações. Cento e setenta integrantes participavam do grupo masculino “Campeões de Jeová”.
O tema do encontro “Até aqui nos ajudou o Senhor” foi escolhido no livro de Samuel (capítulo 12, versículo 7b). De acordo com o organizador e diácono Geraldo Esteves a escolha também simboliza o aniversário da igreja. “Este ano comemoramos o 52º do nosso ministério e o texto resume o auxílio de Deus em todos os momentos, principalmente, nos difíceis”, afirma Esteves.
Além do “Campeões de Jeová”, houve participações de cantores locais como as cantoras Alexandra e Elaine Medeiros, a dupla Heliel e Fabiana, além dos grupos Quarteto Aleluia, Varões Valorosos e Dádivas de Deus. Este último fez a apresentação de um cordel, descrevendo os milagres de Jesus e sua autoridade.
No total, seis canções foram interpretadas pelo conjunto com letras que falavam sobre a volta de Cristo, das ações de Jesus e de glorificação a Deus. O diácono e um dos regentes do coral, Gerson Carniato, ficou satisfeito com a colaboração dos participantes e enfatizou sobre a afinação do conjunto. Rodrigo Fernando dos Santos, diácono e integrante do grupo, mostrou-se “sem palavras e grato pelas orações dos irmãos”.
Plantar e colher
As pregações ministradas pelos pastores Cláudio Moisés e Reinaldo do Carmo  no sábado e domingo, respectivamente, centraram no texto-base e foram similares em seu significado. Ambos ressaltaram que, independente do resultado, o resultado de uma oração não é imediato e que a vontade de Deus será feita na vida de cada um. Sem esquecer que o resultado também depende do relacionamento individual com o Senhor.
No domingo (2) o encerramento foi feito com entusiasmo e com pensamento no próximo congresso. Para Esteves “houve renovação e comunhão entre organizadores e integrantes. Já pensamos no terceiro congresso mesmo que a liderança não continue”. O pastor presidente Samuel Lopes da Silva complementa que “o evento seja exemplo para nossa cidade e região, pois o objetivo é a salvação de almas e isto só pode ser feito com o empenho de todos”.
Esteves finalizou dizendo que “tudo isso foi para Deus, por Deus e com Deus”.

Por Angélica Simeão, estudante de Comunicação Social/UFJF




Grande Conjunto de Varões "Campeões
de Jeová", louvando

quinta-feira, 14 de junho de 2012

quinta-feira, 26 de abril de 2012

O que é aceitar Jesus?

Você já foi convidado para muitas coisas nesta vida, certo? Para alguns desses convites você disse sim e a outros não. Hoje eu estou fazendo um novo e especial convite para você, aceitar a Jesus como seu Senhor e Salvador!
Mas o que é aceitar Jesus?
Aceitar a Jesus é a expressão usada pelos evangélicos para indicar duas coisas:
1º - Aceitá-lo como Salvador
Neste primeiro caso você estará concordando que é pecador, precisa de salvação, que o sacrifício de Jesus na cruz é suficiente para garantir a sua salvação e com isto não necessitará da intervenção ou intercessão de qualquer outro por mais privilegiado que possa parecer.
É um ato de humildade, arrependimento e fé.
2º - Aceitá-lo como Senhor
Neste segundo caso você estará renunciando as coisas deste mundo para servir exclusivamente ao Senhor Jesus. Diz respeito ao plano prático da fé.
Não é uma expressão da boca para fora; também não é apenas ir a uma igreja ou ser chamado de evangélico, envolve uma completa submissão ao nome de Jesus, sua Palavra (Bíblia Sagrada) e a sua vontade.
Ao aceitá-lo como Senhor, estamos nos colocando na posição de servo para obedecer a Sua Palavra e renunciar nossas antigas crenças, costumes, hábitos e comportamentos que nos afastavam do Senhor Jesus.
A Bíblia usa o terno nascer de novo, para indicar que há necessidade de morrermos para o mundo e nascer em nova vida para Jesus.
O ato de aceitar Jesus como seu Senhor e Salvador lhe garantirá de imediato a salvação de sua alma e é o único Caminho que temos para nos livrar da condenação do inferno e chegarmos ao céu.
O convite está feito, porém, a decisão é exclusivamente sua. Ninguém poderá forçá-lo a aceitar Jesus, até porque é algo que tem de que permanecer até a sua morte ou até a volta de Jesus.
O que achou do convite? Se você ainda não entregou a sua vida para Jesus e quer aceitá-lo agora mesmo, preencha o formulário ao lado e iremos orar por você e pedir ao Senhor para confirmar esta decisão que será a mais importante de toda sua vida.


FONTE: http://www.evangelizacao.blog.br/o-que-e-aceitar-jesus.aspx

terça-feira, 13 de março de 2012

Pipoca

Milho de pipoca que não passa pelo fogo continua a ser milho de pipoca, para sempre. Assim acontece com a gente. As grandes transformações acontecem quando passsamos pelo fogo. Quem não passa pelo fogo fica do mesmo jeito, a vida inteira. São pessoas de uma mesmice e dureza assombrosa. Só que elasnão percebem. Acham que o seu jeito de ser é o melhor jeito de ser. 
Mas, de repente, vem o fogo. O fogo é quando a vida nos lança numa situação que nunca imaginamos. Dor. Pode ser fogo de fora: perder um amor, perder um filho, ficar doente, perder um emprego, ficar pobre. Pode ser fogo de dentro: pânico, medo, ansiedade, depressão - sofrimentos cujas causas ignoramos. Há sempre o recurso aos remédios. Apagar o fogo. Sem fogo o sofrimento diminui. E com isso a possibilidade da grande transformação.
Imagino que a pobre pipoca, fechada dentro da panela, lá dentro ficando cada vez mais quente, pense que sua hora chegou: vai morrer. De dentro de sua casca dura, fechada em si mesma, ela pode imaginar destino diferente. Não pode imaginar a transformação que está sendo preparada. A pipoca não imagina aquilo de que ela é capaz. Aí, sem aviso prévio, pelo poder do fogo, a grande transformação acontece: PUF!! - e ela aparece como outra coisa, completamente diferente, que ela mesma nunca havia sonhado. É a lagarta rastejante e feia que surge do casulo como borboleta voante.
Bom, mais ainda, temos o piruá, que é o milho de pipoca que se recusa a estourar. São como aquelas pessoas que, por mais que o fogo esquente, se recusam a mudar. Elas acham que não podem existir coisa mais maravilhosa do que o jeito delas serem. A presunção e o seu medo são a dura casca do milho que não estoura. O destino delas é triste. Vão ficar duras a vida inteira. Não vão se transformar na flor branca macia. Não vão dar alegria para ninguém. Terminado o estouro alegre da pipoca, no fundo da panela ficam os piruás que não servem para nada. Seu destino é o lixo.
Quanto às pipocas que estouraram, são adultos que voltaram a ser crianças e que sabem que a vida é uma grande brincadeira...  


Rubem Alves

Texto Adaptado











Novos Obreiros: Consagração dos Diáconos





"Eis que surge um povo forte,
Revestido de poder;
E não teme nem a morte,
Quem a ele pertencer;
E terá sublime sorte,
Pois com Cristo ao céu vai,
Podes tu dizer também.
“Sou um dos tais”?"
 (Harpa Cristã - 340)



quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

A ORAÇÃO é a chave da VITÓRIA!

“A oração de um justo pode muito em seus efeitos” Tiago 5.16


A oração é a arma mais poderosa que o homem tem para manter seu contato com Deus sempre em dia e, através dela recebemos grandes milagres em nossa vida.
A oração é uma conversa simples e comum, não é necessário utilizar palavras difíceis, o mais importante é que ela seja sincera, ou seja, vir do coração.
Para orar não precisamos estar de joelhos dobrados dentro da igreja, mas podemos fazê-lo em Espírito, ou seja, em nossa mente enquanto estamos no ônibus, trabalhando ou almoçando. O local não é importante, mas sim a fé que depositamos em Deus ao falar com Ele.
O apóstolo Tiago disse que a oração de um justo pode muito em seus efeitos, isso significa que a oração é muito poderosa e pode nos levar a viver milagres, pois abre um canal de comunicação direto entre você e Deus, o Criador dos céus e da terra.
Através de uma oração de fé mortos já ressuscitaram, doentes foram curados, prisioneiros foram libertos, assassinos e viciados tiveram suas vidas renovadas, lares assolados pelo desentendimento e traição foram restaurados. Entenda que, quando oramos com fé, estamos reconhecendo que sozinhos não vamos conseguir e que dependemos do agir sobrenatural de Deus, isto é, precisamos de um milagre. Esse é o começo para o agir de Deus.
Nosso inimigo, o Diabo, sabe disso e por isso usará de muitas artimanhas para nos impedir de orar, como por exemplo cansaço, sono, programas de televisão, navegação na internet, plantando sentimentos de culpa, tristeza e desânimo em nossa mente e coração. Se seu coração está tomado de tais sentimentos, pare imediatamente tudo o que estiver fazendo e busque a presença do Senhor em oração que Ele te libertará da opressão do Inimigo.
Você não foi criado(a) para sofrer e lutar sozinho(a), busque a Jesus Cristo, chame-o para fazer morada em seu coração e receba o consolo que vem do Senhor!
Ore em sua casa, e se puder, venha orar conosco às sextas-feiras (19h30min), busque a Jesus, pois Ele é o único Caminho, Verdade e Vida.

Pb. Alexsandro Tamari Martins 

Texto Adaptado
FONTE: http://adquartaparada.org/2010/08/02/a-oracao-e-a-chave-da-vitoria/
Advertisement

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Servir a Noiva do Cordeiro: um privilégio e uma grande responsabilidade

 O Ministério dos Diáconos
Os diáconos são muito importantes. Uma igreja não funciona sem eles. Aliás, o normal de cada igreja é que seja composta de “bispos e diáconos” (Fp 1:1). Como é instrutivo ver estes irmãos servindo a todo tempo! Eles servem quando a igreja está reunida ou no dia a dia; seja em serviços materiais ou em serviços espirituais; eles servem entre os crentes e entre os descrentes. Os diáconos ajudam no serviço cotidiano de auxílio aos irmãos, e não deixam de ministrar a Palavra de Deus. Eles ajudam nas orações pelos perdidos e aproveitam oportunidades para pregar-lhes o Evangelho. Como são importantes, necessários e indispensáveis! Devemos ser gratos a Deus por Ele ter colocado os diáconos em cada igreja.
Os diáconos, porém, nem sempre servem como deveriam. Infelizmente, por falta de entendimento sobre o seu ministério alguns deixam de servir, achando que os serviços devem ser feitos somente por pessoas formalmente ordenadas para isso. Há irmãos que sentem ardente desejo de servir mais intensamente ao Senhor, mas não se julgam qualificados por nunca ter sido formalmente constituídos para este ou aquele serviço.
Neste estudo, vamos considerar juntos alguns aspectos importantes sobre os diáconos, tendo em vista incentivar o maior envolvimento de irmãos neste ministério precioso – que é servir.
Definição de diácono
Servir deve ser o desejo de todo cristão. Fomos salvos pela graça de Deus, sem nada pagar por isso. Mas não significa que agora, uma vez salvos, não iremos fazer nada. Cada cristão deve procurar, com insistência, entender quais os dons espirituais que Deus lhe deu e em que esfera de serviço Deus quer que ele trabalhe. Cada cristão foi salvo para ser um diácono de Deus.
Mas, o que é um diácono?
a. O que é um diácono
Diácono é alguém que usa seus dons espirituais para fazer os serviços que Deus designou para que ele faça, na vida diária da igreja ou nas reuniões; no ministério da Palavra ou na pregação do Evangelho; em serviços materiais ou em serviços espirituais.
A palavra diácono foi transliterada da palavra grega diakonos, que ocorre 31 vezes no NT. Na maioria das ocorrências é traduzida por servo (veja Mt 22:13, 23:11; Jo 12:26, etc.) e ministro (Rm 13:4, 15:8; I Co 3:5, etc). Apenas três vezes foi traduzida diácono (veja Fp 1:1; I Tm 3:8, 12). Em I Tm 3:13 a palavra traduzida “diácono”, em algumas versões, não é a mesma palavra diakonos, e sim, diakoneo.
Diakonos é uma palavra usada no NT para diferentes grupos de pessoas relacionadas ao seu serviço. Esta palavra tem o sentido de um criado, alguém que presta serviços. Veja alguns exemplos:
a) Servo. Entre os seus irmãos, o maior é, na verdade, um diakonos (servo) dos demais (Mt 23:11). Um seguidor do Senhor é chamado de Seu diakonos (servo) que estará onde estiver o seu Mestre (Jo 12:26).
b) Ministro. O governo civil é chamado de diakonos (ministro) de Deus (Rm 13:4). Cristo é chamado de diakonos (ministro) em relação ao Seu povo (Rm 15:8; Gl 2:17).
Mas nem todas as palavras traduzidas “servo” no NT vêm da palavra diakonos, e a distinção é importante. W. E. Vine faz um comentário interessante sobre a diferença de duas das palavras traduzidas “servo” no NT: “O termo diakonos deve, falando de modo geral, ser distinguido do termo doulos, ‘servo, escravo’; o termo diakonos encara o servo em relação ao seu trabalho; o termo doulos o vê em relação ao seu mestre. Veja, por exemplo, Mt 22:2-14; aqueles que chamam os convidados e os trazem (Mt 22:3, 4, 8, 10) são os douloi; aqueles que executam a sentença do rei (Mt 22:13) são os diakonos” (Dicionário Vine, pág. 568). Portanto, um diácono é visto no seu serviço, é aquele que está trabalhando, exercendo alguma atividade. Quem serve ou ministra é um diácono.
Diácono é, por definição, um servo, um ministro que serve.
b. O que não é um diácono
Vimos o que um diácono éum servo, um ministro, em relação ao seu serviço – agora precisamos ver o que ele não é.
a) Posição eclesiástica. A palavra “diácono” tornou-se um termo técnico para designar posição eclesiástica. Ou seja, um diácono, neste caso, é alguém que foi formalmente ordenado a uma posição para realizar alguns serviços. Sem esta ordenação ele não pode ser reconhecido. O texto de Atos capítulo 6 é um dos mais usados neste sentido. Porém, analisando este capítulo com cuidado, percebemos que não há apoio aqui para tais ordenações eclesiásticas.
Às vezes ouvimos ensinos, sobre Atos 6, de que sete irmãos foram eleitos para serem “diáconos” na igreja em Jerusalém. Entretanto, das ocorrências de diákonos no NT, não é usada nenhuma vez em Atos capítulo 6. Estes irmãos não foram chamados, aqui, de diáconos. Neste capítulo, o serviço que eles fariam (de sustento às viúvas – vs. 1-3) e o que os apóstolos continuariam fazendo (de orar e ministrar a Palavra – v. 4) é que são considerados. Aqui não é o servo que está em vista; é o seu serviço.
É conveniente lembrar que os títulos colocados em cima de capítulos nas Bíblias não foram inspirados. Às vezes estes títulos ajudam a definir o assunto que aquele capítulo está tratando, mas podem atrapalhar também. Este é o caso aqui em Atos capítulo 6. Algumas versões colocam como título deste capítulo “Instituição dos diáconos”, o que por si só confunde o leitor. Os sete irmãos separados aqui para ocuparem-se no socorro material às viúvas não foram ordenados, num sentido formal, a diáconos. Eles foram apenas separados para prestar mais um serviço à igreja.
Diaconato não é uma posição eclesiástica. Estas ordenações não têm apoio bíblico, e seu uso pelas igrejas apenas inibem aqueles que querem e devem servir. A maneira de se conhecer um diácono não é por ordenação eclesiástica. Conhece-se um diácono pelo que ele já está fazendo. Um servo não é reconhecido para fazer um serviço; um servo é reconhecido por já estar fazendo um serviço. Não é pelo que ele irá fazer, é pelo que ele já vem fazendo.
b) Serviços materiais. Outra ideia que se têm dos diáconos é que eles servem apenas em serviços materiais, tais como administrar a parte financeira da igreja, cuidar das construções, etc. É possível que, mais uma vez, esta idéia esteja baseada numa interpretação de Atos capítulo 6. Porém, este mesmo capítulo, por si só, refuta esta idéia. Três comentaristas da série de Comentários Ritchie nos ajudam com suas explicações. Veja o que eles dizem:
James Anderson: “Não há base para pensar que o serviço do diácono seja sempre de natureza administrativa, como indicada neste capítulo. Uma pesquisa mais exata do uso da palavra no NT todo indica que ela abrange muitas formas de serviços, tanto material quanto espiritual …” (Comentário Ritchie, vol. 5, pág. 108).
Sydney Maxwell: Ele diz que a palavra diácono “é traduzida 'servo' e 'ministro', e indica, simplesmente, uma pessoa que presta serviços entre os santos, quer seja em coisas seculares, ou espirituais. O aspecto secular pode ser visto em At 6:1, 2, 3; Rm 16:1; II Co 8:4; 9:1. O serviço espiritual é indicado em At 6:4; II Co 5:18; Ef 4:12; II Tm 4:5. Não se deve pensar que o serviço do diácono, ou servo, é somente na esfera secular, e que é inferior ao serviço do bispo, como na cristandade” (Comentário Ritchie, vol. 9, págs. 239, 240).
James Allen: “Os dois aspectos do trabalho do diácono que se tornam claros no NT, com relação ao serviço da igreja, podem ser encontrados em Atos cap. 6, onde, mesmo que a palavra não seja usada, as palavras cognatas são instrutivas. Em atos 6:1, temos o substantivo: ‘suas viúvas eram desprezadas no ministério (diaconia) cotidiano’. No v. 2, temos o verbo: ‘não é razoável que deixemos a palavra de Deus e sirvamos (diakoneim) às mesas.’ Estes dois versículos ligam o diaconato com o serviço material; mas, no v. 4, temos a afirmação apostólica: ‘mas nós perseveraremos na oração e no ministério (diakonia) da palavra’. Isto indica que diaconato tem outro aspecto, um lado espiritual, ilustrado no trabalho apostólico” (Comentário Ritchie, vol. 12, págs. 96, 97).
Um diácono no NT não é alguém que foi formalmente ordenado à uma posição de destaque na igreja. Também não é alguém que está ocupado somente com serviços materiais. No NT um diácono é um servo, em relação ao seu serviço, e seu ministério abrange dois aspectos: material e espiritual. A mesma palavra é usada para designar ambas as esferas. Quando Paulo e Barnabé estiveram envolvidos num serviço material (o de levar uma oferta para os crentes da Judéia), o serviço deles é chamado de diakonia (traduzido “serviço” em At 12:25). Quando Paulo falou da carreira que havia recebido do Senhor “para dar testemunho do Evangelho da graça de Deus”, ele a descreve como diakonia (traduzido “ministério” em At 20:24). Há outros exemplos semelhantes no NT, mas estes são suficientes para mostrar que um diácono é um servo e seu serviço está relacionado a coisas materiais e espirituais.
O padrão exigido dos diáconos
Uma igreja que funciona normalmente é composta de bispos e diáconos (Fp 1:1). Dos bispos (presbíteros) requer-se uma vida irrepreensível e exemplar, para que tenham autoridade no que fazem (veja I Tm 3:1-7; Tt 1:5-9). O padrão é alto, porém necessário!
Os diáconos, por sua vez, são irmãos que servem. Não são todos os homens numa igreja que são presbíteros, mas todos os membros de uma igreja devem servir como diáconos. Entretanto, o fato de os servos (diáconos) não serem presbíteros não lhes isenta de um alto padrão exigido por Deus. À semelhança dos presbíteros, é necessário que a vida dos que servem na igreja (em qualquer serviço) seja caracterizada por um padrão alto.
Em I Tm 3:8, quando começa a seção que apresenta o padrão de comportamento dos que servem na igreja (a seção vai do v. 8 ao 13), lemos o seguinte: “da mesma sorte os diáconos sejam …”. Esta expressão indica um paralelo, um mesmo padrão exigido. Assim como se espera dos presbíteros (vs. 1-7) que mostrem um alto padrão de comportamento, “da mesma sorte os diáconos”. A seguir, são apresentadas as qualificações dos que servem. Servir a igreja com seus dons espirituais é um privilégio, mas não deixa de ser uma responsabilidade. Não são somente os presbíteros que precisam ser vigilantes quanto a sua própria vida; os que servem a igreja, em qualquer serviço, têm este mesmo dever.
Nas palavras de James Anderson, “a igreja deve requerer um padrão muito alto daqueles que vão servir, mesmo para serviço que não seja de natureza espiritual … Talvez algum irmão tenha experiência de coisas bancárias, mas este fato em si não justifica a sua escolha como tesoureiro! Talvez outro irmão seja professor de escola secular, mas este fato não o constitui ensinador na igreja local! Talvez outro irmão seja competente administrador secular, porém este fato não o faz um ancião na igreja!” (Comentário Ritchie, vol. 5, pág. 108). As qualificações para ser um servo não são qualidades naturais ou profissionais. Se um irmão é bem sucedido e respeitado na sua profissão, mas vive uma vida que traz vergonha ao Evangelho, ele não deve servir. Mais uma vez afirmo que o padrão é alto, porém necessário!
Entretanto, o alto padrão exigido não deve ser motivo de desanimo. Não devemos pensar que nunca chegaremos a cumprir as exigências para servir e, portanto, não podemos ser diáconos. Muito pelo contrário, devemos lembrar que Deus sempre pede o que temos condições de fazer. Mesmo que seja difícil, árduo e custe um preço, temos condições de obedecer. Além disso, devemos lembrar que os demais estão nos observando. Principalmente os descrentes têm um interesse vivo no comportamento dos crentes. O padrão exigido por Deus para os servos é um meio de adquirir a confiança dos fiéis e serve como um argumento silencioso contra as palavras maliciosas dos infiéis (I Tm 3:13; Tt 1:9).
Este padrão dará condições ao servo para ser o exemplo dos fiéis “na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza” (I Tm 4:12).
Conclusão
Mais uma vez afirmo que devemos dar graças a Deus pelos diáconos! O que vimos sobre eles, apesar de resumido, nos dá uma idéia da sua importância nos serviços da igreja.
Um diácono é um servo. Ele não tem uma posição eclesiástica, nem mesmo serve apenas em coisas materiais. Não, um diácono é alguém que Deus mesmo capacitou com dons espirituais para que sirva a igreja dentro da sua esfera de trabalho. Às vezes ele se ocupa no dia a dia da igreja, servindo aos irmãos, visitando-os e auxiliando-os nas suas necessidades. Às vezes ele se ocupa nas reuniões da igreja, no ministério da Palavra e na pregação do Evangelho. Como são úteis e indispensáveis!
Cada cristão deve ser um diácono. Cada diácono deve servir. Todo cristão recebeu dons espirituais e deve usá-los no serviço do Senhor. Se você foi salvo, não espere ser convidado a servir, comece agora mesmo.A igreja precisa do seu serviço para que continue crescendo e agradando ao Senhor em tudo. Há serviços que Deus quer que você faça. Você tem um serviço a prestar, “cumpre o teu ministériodiakonia (II Tm 4:5).
Que Deus nos dê mais diakonos dispostos a servir, pois cada igreja precisa deles para funcionar.
“Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do Evangelho da graça de Deus” (At 20:24).
Adriano Anthero

Texto Adaptado
FONTE: http://www.sadoutrina.com/doutrina/103-ministerio.html